Domingo, 25 Junho 2017

União de esforços facilita cuidados com os cães abandonados na rua

Publicado em Bairro a Bairro Segunda, 29 Maio 2017 10:44
Avalie este item
(0 votos)

O aumento da população de cães de rua aumentou consideravelmente nos últimos anos, causando transtornos e preocupação em relação à saúde pública. Além, é claro, revolta devido aos maus tratos com os bichinhos, deixados nas vias públicas, largados à própria sorte. A boa vontade de uma grande parcela da população tem sido o principal elemento para que o problema, em parte, seja resolvido.

Exemplos não faltam, como os de grupos de amigos que se revezam no recolhimento e cuidados, da Associação Itaunense de Defesa Animal – Aida – e de pessoas que mesmo sem ligação com quaisquer instituições, fazem o que podem para proteger esses seres tão especiais. São muitos os voluntários e, entre eles, está o veterinário e professor Carlos Eduardo de Souza Nogueira, de 55 anos, sendo 25 deles de dedicação à profissão. 

Há cerca de um ano, Carlos, que tem uma clínica, iniciou a prestação de serviços de castração voluntariamente. “Procurei os responsáveis pelo Centro de Controle de Zoonoses, porque precisávamos de um local para os procedimentos cirúrgicos. No entanto, o lugar que era disponibilizado não tinha estrutura adequada para as intervenções. Agora as conversas já avançaram, conseguimos parcerias e ajuda da Secretaria Municipal de Saúde, o que contribui para a realização do trabalho”, explica. 

 

Compromisso

Em março, a Aida, representada pela presidente, Michelle Nogueira Moreira, e o secretário municipal de Saúde, Fernando Meira de Faria, o Termo de Cooperativismo Mútuo, com o objetivo de manter o controle populacional de cães e gatos, no âmbito urbano e rural. O compromisso estabeleceu obrigações de ambas as instituições em relação aos cuidados com os animais.

A Prefeitura de Itaúna se comprometeu a disponibilizar instalações físicas do Centro de Zoonoses para as castrações e em contrapartida, a Organização Não Governamental – ONG - ficou responsável pela parceria com o veterinário voluntário e fornecimento dos equipamentos cirúrgicos e materiais de uso pessoal para proteção individual do profissional e auxiliares envolvidos, bem como todos os medicamentos necessários para os períodos pré e pós-operatório dos animais.

A nova administração deu um importante passo no sentido de solucionar o problema, atendendo a uma reivindicação antiga da população. Com o Estatuto de Defesa, Controle e Proteção dos Animais em vigor, também fica mais fácil cobrar providências, fazer denúncias e fiscalizar. 

Voluntária da Aida, a empresária Fabiana Andrade dos Santos salienta que é muito importante sensibilizar a população para a causa. “As castrações dos cães têm sido feitas em trabalho de cooperação, entre a ONG, voluntários e poder público. Alguns animais já operados estão se recuperando e com coleira da instituição, não só para identificar o tratamento, mas também para promover a solidariedade. Assim, ganham os moradores de todas as regiões, com a redução do número de cães nas ruas, e os bichinhos, que  podem ganhar um lar e se tornarem ótimas companhias para os novos donos”, comenta.

 

O trabalho 

A Aida foi fundada em setembro de 2011, da união de pessoas que tinham em comum a vontade de ajudar os cães, retirando-os das vias públicas e cuidando deles, com alimentação e tratamentos. Quem se interessar em contribuir de alguma forma, como voluntário ou com recursos financeiros, pode procurar a Clínica São Francisco, na avenida JK, 1270, ou entrar em contato com a entidade, por meio da página oficial na rede social Facebook.

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd