Quarta, 19 Setembro 2018

“Casa Nossa”: há quase um século pela igualdade de oportunidades

Publicado em Cidade Segunda, 28 Maio 2018 14:24
Avalie este item
(0 votos)

Entidade assistencial é uma das mais antigas da cidade e mantém trabalho voltado às crianças a adultos

A “Casa Nossa” talvez seja a entidade assistencial mais antiga de Itaúna. A instituição, mantida pela Fundação de Proteção à Maternidade e à Infância, atendeu diferentes públicos desde a criação, em 1938, com diversos nomes e endereços. E contribuiu para que inúmeras pessoas tivessem uma vida melhor e com mais oportunidades.

 

A organização nasceu da vontade de um grupo de senhoras em ajudar mães que precisavam de apoio. O grupo doou, inclusive, um terreno para a sede, onde funciona hoje o Instituto Nacional do Seguro Social – INSS -, na rua Dr. José Gonçalves, e que, posteriormente, foi trocado pelo imóvel ocupado pela “Casa Nossa” atualmente, na rua Josias Machado, 391, também na área central.

 

A instituição já forneceu alimentos, roupas e muitos outros materiais para bebês, crianças e adolescentes. Com o passar dos anos, os voluntários da entidade vivenciaram várias situações. Houve época em que só era possível distribuir leite, o que fez com que a casa ficasse mais conhecida como “lactário”, enquanto em outro período, eram doadas cesta de alimentos para as famílias em situação de vulnerabilidade social.

 

Em meados de 1983, a Pastoral da Paróquia Sant'Ana pediu a fundação mantenedora para também utilizar o espaço físico, visando promover atendimento aos meninos e meninas, oferecendo a eles alguma atividade. Após autorização do Ministério Público, foi iniciado o trabalho no local, mas com outro Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ –, sem ligação com a Fundação de Proteção à Maternidade e à Infância.

 

No ano 2000, a entidade passou por uma grande mudança. Atendendo à determinação da Justiça, adaptou toda a estrutura para receber, exclusivamente, menores infratores. Depois disso, houve ainda um tempo em que o imóvel da instituição ficou fechado e outro em que foi alugado para um time de futebol. Apesar de todos os percalços ao longo do caminho, a “Casa Nossa” se manteve ativa e com uma equipe de voluntários dispostos a doar parte do tempo para manter essa grande obra viva e ajudando as pessoas. Hoje, a organização mantém as portas abertas para todos, crianças e adultos, independentemente de classe social.

 

No espaço mantido pela instituição são oferecidos cursos de cabeleireiro, laboratório de informática e aulas de balé. A entidade ainda faz questão de fornecer lanche para a meninada. Além de propiciar o aprendizado de técnicas, com foco, principalmente, na inserção ao mercado de trabalho, a “Casa Nossa” ainda rompe com as barreiras sociais, viabilizando uma interação maior entre pessoas de realidades distintas.

 

A organização sobrevive, principalmente, das doações da comunidade, recursos arrecadados em eventos beneficentes, repasses da Prefeitura e do Fundo Municipal da Infância e Adolescência – FMIA -, mediante aprovação de projetos. Os empresários Thiago Sat e Nelson Eustáquio Dias Júnior são dois dos colaboradores.

 

Quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho e da história da “Casa Nossa”, e contribuir com os projetos desenvolvidos, pode entrar em contato pelo telefone 3241-0619

 

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd