Domingo, 24 Junho 2018

Empresa tem contrato rescindido por atrasar obras das creches do Santa Edwiges e Cidade Nova

Publicado em Geral Segunda, 19 Fevereiro 2018 17:14
Avalie este item
(0 votos)

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura – Semec – está realizando nova licitação para o término das creches dos bairros Santa Edwiges e Cidade Nova. De acordo com o engenheiro da pasta, Thales Lara, ambos os prédios vinham sendo construídos por uma única empreiteira. Porém, a empresa não cumpriu os cronogramas, atrasando a conclusão das obras.

“Houve rescisão unilateral, por parte da Prefeitura. O grupo foi notificado várias vezes a fazer o que estava estabelecido no cronograma. Mesmo assim, não se atentou a isso. Diante de todas essas notificações, o Município decidiu romper o contrato e fazer uma nova contratação, para que a construção das unidades educacionais não fique paralisada. A administração está empenhada em entregar o mais rápido possível as creches às comunidades, que necessitam muito. A demanda é muito alta. Nós não poderíamos que trabalhassem do jeito que queriam”, explicou o profissional.

Thales Lara disse ainda que agora será contratada uma empreiteira para cada unidade. “Havia apenas uma empresa à frente dos dois empreendimentos, no Santa Edwiges e Cidade Nova. Agora mudaremos isso. Dessa forma, se houver problema em uma obra, não refletirá na outra”, comentou.

 

Demanda elevada

 

De acordo com a Prefeitura, a creche do Santa Edwiges terá capacidade para atender 125 crianças, de 0 a 3 anos de idade. Já o Núcleo Infantil do Cidade Nova atenderá 120 meninos e meninas, na mesma faixa etária, em horário integral.

Histórico de problemas

 

Após anos de promessas e paralisações, a construção da creche do Santa Edwiges finalmente foi retomada em 11 de julho de 2017. Porém, vários problemas, inclusive, de comprometimento da estrutura em alvenaria da edificação, foram detectados durante as vistorias feitas para que a nova empreiteira assumisse os trabalhos.

Uma nota técnica entregue ao Município apontou que os pilares não atendiam à resistência mínima de Característica de Concreto à Compressão, conforme especificação de projeto estrutural fornecido pelo Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação – FNDE, que destinou recursos para execução do projeto. O laudo atestou ainda que as obras não foram realizadas seguindo as normas e a boa prática da engenharia, o que resultou na fraca resistência estrutural, representando uma ameaça à segurança dos colaboradores e, futuramente, dos alunos. 

No Cidade Nova, apesar de a construção ter sido realizada em conformidade com os padrões de segurança, as análises apontaram a necessidade de correções.

Para avaliar o que poderia ser mantido e o que deveria ser demolido, as Secretarias de Educação e Cultura e de Regulação Urbana formaram uma comissão. Ficaram a cargo do grupo os levantamentos com o objetivo de identificar as inconformidades e assim, evitar mais problemas, garantindo a entrega da unidade educacional à comunidade.

Em setembro passado, a reportagem do JORNAL S´PASSO esteve no bairro Santa Edwiges e encontrou os servidores responsáveis pela fiscalização no local, realizando as vistorias.

 

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd