Quarta, 18 Julho 2018

Creva precisa de voluntários e doações para continuar trabalho pela recuperação de dependentes químicos

Publicado em Geral Segunda, 09 Abril 2018 17:16
Avalie este item
(0 votos)

O Centro de Recuperação Esconderijo do altíssimo Vale de Acor – Creva - atua no acolhimento de dependentes químicos do sexo masculino, na faixa etária entre 18 e 70 anos. A proposta da entidade é resgatar vidas, assistir, instruir e reinserir a pessoa na família e sociedade.

A instituição foi fundada em junho de 2015, em resposta à grande demanda por serviços para a prevenção ao uso de álcool e entorpecentes. A iniciativa começou com voluntários, que passaram a oferecer apoio e orientação espiritual aos interessados em se livrar dos vícios. A assistência prestada pelo grupo incluiu, desde o início, ações junto aos moradores de rua. Em 2016, o Creva conquistou uma sede para ampliação do trabalho, com internação dos recuperandos. 

 

Trabalho intensivo

A internação dos dependentes químicos dura entre seis e oito meses. Durante esse período, os assistidos passam por terapias de grupo, recebem atendimento individual com psicanalistas; cultivam horta, dentro do programa de laborterapia; e participam de palestras e cultos, todos os dias. 

“Nós temos a missão de oferecer o amparo necessário, orientação espiritual, cultural, profissional, educacional e contribuir para a integração dos beneficiários no mercado de trabalho, sem distinção de raça, cor, condição social, religião ou ideologia política. Trabalhamos não só para o combate ao vício, mas também por uma sociedade mais igualitária”, explica o presidente do Creva, Altair Emídio da Silva. 

O atendimento é feito por encaminhamento de familiares, órgãos públicos ou  empresas. Atualmente, a entidade que tem capacidade para receber 20 internos, abriga 16. Mais de 100 pessoas passaram pela instituição desde a fundação, em 2016. 

 

Eventos todo mês

Com o objetivo de garantir recursos para a manutenção das atividades, o Creva realiza eventos mensalmente. O próximo será a Noite da Pizza, marcada para 21 de abril, a partir das 19 horas, na sede da entidade, que fica na região de Lopes, na zona rural de Itaúna. Os ingressos custam R$ 12, no caso de adultos, e R$ 8, crianças. E, o dinheiro arrecadado vai ajudar na continuidade dos trabalhos. 

De acordo com o presidente, Altair Emídio da Silva, há planos para ampliar essas ações e contribuir para a formação profissional dos internos. “Estamos em conversas com uma empresa de Belo Horizonte, que analisa a possibilidade de nos ajudar a construir uma área de treinamento, para cursos de cozinheiro, pizzaiolo, churrasqueiro e cabeleireiro. Esse espaço também servirá para as reuniões e confraternizações com os assistidos”, adianta. 

 

Para contribuir

Atualmente, o maior desafio enfrentado pela instituição é a falta de voluntários capacitados para as áreas administrativas, além de terapeutas e psicólogos. Em relação aos recursos financeiros, o Creva é mantido apenas com o dinheiro arrecadado nos eventos, as contribuições das famílias de internos e venda de produtos cultivados no local. Portanto, há dificuldades para o custeio, por exemplo, da alimentação. 

Os interessados em fazer doações ou prestar serviços voluntariamente podem entrar em contato pelo telefone 33326-7138 ou 9 9934-5838. E, é possível conhecer melhor o trabalho, na página mantida pela entidade na rede social Facebook: Comunidade Creva. 

 

Deixe um comentário

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd