Segunda, 25 Junho 2018

Garota perdeu o olho esquerdo há três anos depois de ser ferida em festa de aniversário da cidade

 

O delegado de crimes contra a vida, Diego Almeida Lopes, confirmou esta semana ao JORNAL S´PASSO que já ouviu o depoimento do principal suspeito do disparo que atingiu uma menor na cabeça, durante as comemorações dos 110 anos de Itaúna, na Praça Celi, no final da avenida Jove Soares. O caso ocorreu em 2011 e o inquérito, que estava parado na Delegacia de Polícia Civil, foi reaberto logo que Diego assumiu o posto, em 2013. 

Segundo o delegado, o rapaz, que é maior de idade e tem passagens por infrações cometidas ainda quando era adolescente, contou em oitiva que estava armado e efetuou tiros durante a festa. Mas, para comprovar se a bala que acertou a menina foi disparada por ele, ainda serão necessárias reconstituição dos fatos e o resultado da análise pericial. “Foi um grande passo identificar o possível autor, porém, ainda não podemos fazer quaisquer afirmações de que seja realmente ele. Porém, com certeza, já conseguimos avançar bastante”, declarou em entrevista na tarde desta sexta-feira, 21. 

Desde que o fato aconteceu, os parentes lutavam para descobrir quem disparou e de onde veio o tiro que acertou a menor. A perícia, feita à época, confirmou a versão da menor de que o disparo saiu do lado direito do palco, do bairro Nogueira Machado. E foi através de denúncia anônima que a Polícia chegou ao suspeito. Hoje, com 16 anos, a jovem teve a vida completamente transformada; perdeu todo o olho esquerdo e ainda tenta se adaptar ao uso de uma prótese.

 

Demora

 

 A mãe da jovem disse que aguarda com ansiedade a conclusão do inquérito pela Polícia. “Depois que o suspeito foi localizado e prestou depoimento assumindo que foi o autor dos disparos pensamos que tudo fosse se resolver. Mas o delegado falou que precisa de uma nova perícia e isto há quase três meses”, argumentou.

A  menor ainda está em tratamento em Belo Horizonte e está com dificuldades de se adaptar com a prótese. “Esta semana mesmo ela não conseguiu ir à escola. Vamos marcar um retorno ao médico para que eles possam fazer um novo diagnóstico. Lutamos muito para encontrar o responsável pelo tiro e agora que ele foi localizado, o caso ainda não foi concluído”, lamentou. 

 

Todo o tratamento pós-operatório da menor, assim como consultas a oftalmologista, neurologista e psicólogos estão sendo custeados pela família, que enfrenta dificuldades financeiras. “Quero que o responsável nos ajude a dar à minha filha um tratamento digno. Ela não vai recuperar a visão, mas pelo menos, terá a chance de ter uma vida normal, dentro das possibilidades”, comentou. 

 

 

 

 

 

 

Quem transita pelas ruas de Itaúna, principalmente na área central e nos horários “de pico” sabe muito bem das dificuldades enfrentadas por motoristas e pedestres diariamente. O aumento significativo da frota nos últimos anos aliado à falta de planejamento do trânsito, que é totalmente desordenado, contribuem para os transtornos, maiores a cada dia. Nesse sentido, a cidade não difere de outros municípios do mesmo ou de maior porte, que a cada dia têm a mobilidade comprometida devido à grande quantidade de carros e motocicletas em circulação.  

E, se considerado estudo apresentado recentemente pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – Anfavea –  é possível constatar que as perspectivas não são nada animadoras. A pesquisa faz projeções para próximos 20 anos e prevê crescimento considerável da frota e do número de licenciamentos em diversos cenários. Um dos pontos de destaque da avaliação revela que a taxa de motorização do país, atualmente de 5,1 habitantes por veículo, passará para 2,4 nas próximas duas décadas, ou seja, mais pessoas terão carro particular.

Para especialistas em mobilidade, a situação se torna mais preocupante à medida que não há planejamento para investimentos em obras viárias de infraestrutura na mesma proporção. Situação de Itaúna, que com menos de 90 mil habitantes, hoje tem 51.125 veículos, conforme dados apurados junto ao Departamento Nacional de Trânsito – Denatran. Até novembro do ano passado o número de emplacamentos feitos na cidade era de 48.999 unidades, portanto, o crescimento foi de aproximadamente 5% em apenas 12 meses. Em maior número estão os automóveis, que são 28.294 e em seguida veem as motocicletas, em 11.366 placas. Caminhonetes, caminhões, motonetas, entre outros, correspondem ao restante da frota. 

 

 

 

 

 

Convite para adesão é assinado pela F2 Incorporadora e promete divulgação na mídia estadual e no Jornal Folha do Povo 

A F2 Incorporadora e Construtora, sediada em Belo Horizonte, vai promover um jantar, na próxima quinta-feira, 27, para empresários de Itaúna e região. O evento será realizado no mesmo dia em que é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Câncer e a escolha da data tem a ver com o fato de os convidados estarem envolvidos em projeto social encabeçado pela empresa e destinado à arrecadação de fundos que vão garantir a construção do segundo pavimento do Centro de Oncologia, nas dependências do Hospital Manoel Gonçalves. 

O que chama a atenção na ação desenvolvida pela empreiteira são as ligações da mesma com a família do deputado estadual Neider Moreira, que intermediou junto ao governo do Estado os recursos para o início das obras para implantação do serviço. Há poucos meses, a F2 ficou conhecida na cidade como a incorporadora de um pretenso empreendimento na região da Barragem do Benfica, a Mata dos Tabuões. Os proprietários do terreno tentaram aprovar loteamento na área de preservação, medida barrada pela Câmara. A princípio, os nomes de dois empresários da capital, pai e filho, ambos chamados François Rhame, sócios na construtora, foram apontados como donos do imóvel, que, na verdade, conforme ficou comprovado, pertencia ao deputado Neider e ao irmão dele, Olber Moreira de Faria. 

O convite para a festa, encaminhado por correio eletrônico destaca que a construtora desenvolveu o projeto social para viabilizar a continuidade das obras do Centro de Oncologia e é assinado por Flávia Marques de Faria, filha do médico Olber.  Ao explicar a ação realizada pela F2 e justificada como uma iniciativa para ajudar o Hospital Manoel Gonçalves e, consequentemente, a população itaunense, a sobrinha de Neider, se apresenta como funcionária da empresa e ratifica que o jantar é um evento de congraçamento entre os doadores de recursos para a construção da unidade que vai garantir aos portadores de câncer tratamento na própria cidade. 

Denominado o primeiro projeto social da F2 Incorporadora e Construtora, o documento lista toda a estrutura da Casa de Caridade e deixa claras as intenções da empreiteira de tomar frente da edificação do Centro de Oncologia, obra iniciada por outra empresa. “Tomamos conhecimento da situação e resolvemos ajudar. A causa é nobre e os envolvidos no projeto são profissionais muito sérios. Por isso visitamos a obra e conversamos com o corpo clínico do hospital para entendermos quais eram as necessidades e como poderíamos ajudar. Resolvemos então fazer contato com nossos parceiros e amigos para arrecadar a verba necessária para a finalização da obra. Deixamos claro que não faremos doação em dinheiro, vamos doar materiais e mão de obra. Queremos entregar o prédio finalizado no Dia Nacional de Combate ao Câncer e  faremos um evento no local para que todos os colaboradores possam sorrir juntos e se orgulhar da ação social que fizeram. Construir sorrisos sempre será nosso principal  objetivo”, diz a justificativa. 

 

A F2 apresenta ainda cronograma físico da obra, planilhas de custos de todas as etapas da construção e um dossiê composto por fotos do estágio em que se encontra a edificação do Centro de Oncologia. Os doadores vão ganhar publicidade em veículos de comunicação de alcance estadual, citados no projeto, entre os quais, Veja BH, jornal Estado de Minas, TV Globo e Alterosa e, em Itaúna, na Folha do Povo. 

 

Recursos conseguidos em 2009 foram devolvidos pelo ex-secretário de saúde, Cristiano Carneiro em 2011; depois disto não há processo para instalação do serviço na cidade

Desde o início de 2013, quando o prefeito Osmando Pereira da Silva assumiu o quarto mandato à frente da Prefeitura, a administração divulga que estão em andamento os processos para a instalação de uma Unidade de Pronto Atendimento – UPA –proclamada como uma grande conquista para a comunidade. No entanto, informações obtidas pela reportagem junto ao Ministério da Saúde, em Brasília, e à Gerência Regional de Saúde, em Divinópolis, na tarde desta sexta-feira, 21, confirmaram que não existem quaisquer procedimentos em aberto para a implantação do serviço na cidade. Os recursos para o empreendimento foram liberados ainda em 2009, quando Itaúna foi contemplada com uma UPA de porte 1, classificação correspondente à população do município, menor que  100 mil habitantes, e com construção orçada em R$ 1,4 milhão. No entanto, conforme os dados repassados ao JORNAL S´PASSO pelo órgão federal dão conta de que o montante foi devolvido em 2011, por iniciativa do próprio gestor da Saúde à época, o servidor público municipal Cristiano Carneiro. 

Em meados de junho passado, a Secretaria Municipal de Saúde anunciou que trabalhava em ritmo acelerado para construir a unidade, que, segundo a comunicação oficial, teria entre nove e 12 leitos e capacidade para atender aproximadamente 300 pacientes por dia. Até então, as informações eram de que a pasta dava prosseguimento a todos os passos e trâmites legais para implantar o sistema, que contaria com estrutura para exames de raio-X, eletrocardiografia, pediatria e laboratório. 

Conforme veiculado à época, a intenção era instalar a UPA nas dependências do Hospital Manoel Gonçalves, com a possibilidade de agilizar o atendimento aos pacientes em situação de urgência e emergência. Em meio ao compromisso assumido, que era cumprir a antiga promessa feita pelo ex-prefeito Eugênio Pinto, foi divulgado por diversas vezes que várias ações estavam sendo realizadas, como reuniões com o Conselho Comunitário da Casa de Caridade, que liberou a área para a edificação. As negociações envolveram ainda o Ministério Público, uma vez que o Hospital é uma fundação e a lei só permite esse tipo de construção em terreno público, o que tornava obrigatória a elaboração de um termo de comodato para ser assinado entre a instituição e o Município, o que, conforme informado, também já estava em andamento. 

 

Dias antes da veiculação dessas informações, a secretária, Ângela do Amaral, chegou a descartar a possibilidade de implantação do serviço ainda neste ano, durante reunião na Câmara. Na ocasião, ela falou sobre a necessidade de acerto de várias questões, principalmente em relação à cessão do espaço para a construção do prédio no terreno da Casa de Caridade e que  não havia definição de prazo para a finalização do processo que viabilizaria a construção da UPA, conforme as palavras da própria gestora, habilitada desde 2009 e com recursos de destinados pelo governo federal.

 

As referências do passado de Itaúna estão como seus monumentos: em ruínas. E não é porque o patrimônio esteja fora dos olhos da maioria dos cidadãos que as autoridades deixam de se importar em resgatá-los. O maior exemplo do descaso a olhos vistos é o monumento erguido em comemoração aos 50 anos da cidade e que homenageia Doutor Augusto Gonçalves, um jovem médico e cheio de ideias que revolucionaram Itaúna.

Se no presente não elegemos sequer um representante na assembleia ou na Câmara Federal, entre 1891 e 1898 Augusto Gonçalves foi deputado e ajudou a elaborar a primeira Constituição Republicana do Estado. Para lembrar o ilustre itaunense, quando Itaúna completou meio século de emancipação, em 1951, foi erguido na Praça da Matriz um marco feito em concreto, revestido com pastilhas e granito.

Ao lado da fonte luminosa, o símbolo da atuação benemérita do Dr. Augusto Gonçalves enfrentou 49 anos para receber uma reforma realizada 2001, no centenário da cidade. De lá pra cá, restaram apenas lembranças de quem gostava de brincar na Praça e usava o monumento como escorregador, sempre sob os olhos atentos dos pais.

Hoje, 13 anos após a primeira reforma, o marco histórico da cidade está abandonado e sujo. Segundo informações do Conselho Deliberativo Municipal do Patrimônio Artístico, Cultural e Ecológico – Codempace - o monumento foi inventariado, o que significa que integra a relação de bens históricos do município. Relatório do órgão, elaborado há pouco mais de cinco anos indicou que na revitalização foi trocado o revestimento e destacou que o marco não necessitava de reparos, apenas de conservação e intervenções periódicas, o que não foi feito.

 

Apesar de ter sido lançada em cerimônia no fim de outubro, na presença de autoridades e de representantes da comunidade do Alto do Rosário, a restauração da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, que estava prevista para começar esta semana, ainda não foi iniciada. Agora, depois de expirados os prazos estipulados, a princípio de sete e em seguida, 15 dias, a perspectiva é de que o Instituto Yara Tupinambá assuma o trabalho a partir de segunda-feira, 24, e conclua entre oito e dez meses. A informação é da Paróquia de Sant´Ana, responsável pela coordenação do processo de restauro, mas os motivos do atraso não foram explicados.

A primeira fase da revitalização, que contempla apenas o altar-mor da capela foi garantida por convênio firmado pela Associação das Sete Guardas de Nossa Senhora do Rosário ainda durante o governo de Eugênio Pinto. São R$ 300 mil, divididos em parcelas de R$ 15 mil mensais. Para a restauração completa do templo ainda não há previsão de novos repasses do poder público e a paróquia pretende mobilizar a população para arrecadar o montante necessário para as obras do Arco do Cruzeiro, entre outros elementos da parte interna da igreja, que devem custar outros R$ 300 mil, em uma segunda etapa.

 

 

 

 

A partir da próxima segunda, 24, estará aberta a tradicional feira de Natal realizada pelo Centro de Artes e Artesanato Yara Tupinambá. Até o dia 23 de dezembro estarão disponíveis para visitação e venda diversos produtos, entre utensílios domésticos, enfeites para a casa, entre outros, que poderão ser adquiridos por preços acessíveis. A mostra será montada na sede do instituto, localizado na rua Bonfim, 10, Centro, com atendimento das 13h às 18h. Mais informações pelo telefone 3242 49 08. 

 

 

 

 

Já está nas mãos da Procuradoria-Geral do Município a minuta do projeto de lei que prevê a criação da Fundação Municipal de Cultura. A informação foi concedida à reportagem pela secretária Maria Virgínia Morais Garcia e de acordo com ela, apesar de as discussões sobre o assunto estarem adiantadas, ainda não há nenhuma decisão definitiva e é preciso uma análise aprofundada, principalmente em relação às questões jurídicas. Em entrevista nesta semana, a gestora garantiu que somente depois de todos os estudos sobre a viabilidade da medida é que a matéria será encaminhada à Câmara para apreciação dos vereadores e votação. 

A proposta foi aprovada por unanimidade durante a reunião do Conselho Municipal de Cultura deste mês e segundo Virgínia, esse foi o primeiro passo de muitos passos necessários para que a ideia seja transformada em realidade. “O prefeito Osmando Pereira sinalizou interesse, mas o assunto tem que ser tratado com calma. Temos que verificar a parte legal e a financeira também, porque apesar de a fundação garantir mais autonomia e capacidade para o levantamento de recursos por meio de leis de incentivo, o setor não fica totalmente desvinculado da administração”, afirmou. 

Para a gestora da Educação, a transformação do departamento de Cultura em secretaria pode não ser tão viável, uma vez que a criação de uma nova pasta geraria maior impacto para as contas, uma vez que a mesma dependeria de orçamento próprio e não geraria as mesmas possibilidades de captação de recursos garantidas por uma fundação. “Não é viável e está praticamente descartada essa hipótese. Mas, vamos aguardar o andamento das análises técnicas para verificarmos qual a melhor alternativa para a cidade, o que vai atender aos interesses da comunidade”, frisou. 

A diretora de Cultura, Zanilda Gonçalves, acredita na implementação da fundação como a alternativa para a movimentação do setor. “É uma ótima opção para garantir o desenvolvimento do segmento, com a definição de metas e pessoal especializado. A cidade poderá aprovar projetos e obter recursos por meio das leis de incentivo, o que será de grande valia porque as ações do departamento muitas vezes ficam restritas às dotações orçamentárias. Mas, por enquanto é um projeto, não é tão simples e temos que estudar muito para que, caso seja concretizado, comece da forma correta e dê certo”, argumentou. 

 

Agenda restrita às promoções particulares 

 

A quase dois anos do início da atual administração municipal, o descaso com a Cultura prevalece. A situação é visível principalmente pela falta de ações que movimentem o setor, com a agenda limitada às promoções particulares. Poucas são as exceções, sendo uma delas o projeto “Clássicos do Cinema”, com sessões são quase sempre durante a semana, no meio da tarde, o que restringe o número de frequentadores. Para a próxima terça-feira, 25, por exemplo, está prevista a exibição do filme “Hairspray, em busca da fama”, a partir das 15 horas. 

Na programação apresentada pelo Departamento de Cultura para a segunda quinzena deste mês, constaram palestra e exame prático do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões de Minas Gerais – Sated/MG. Para hoje, 22, a partir das 18 horas, está marcada a apresentação do espetáculo infantil Dora Aventureira, No Teatro Sílvio de Mattos, com venda de ingressos, visto que apesar de figurar na propaganda oficial, a atração não será trazida à cidade pelo poder público. Na ausência de uma agenda cultural própria, a Prefeitura também tomou “carona” no evento Estação Cemig, previsto para o dia 30, com a banda Arrasa e mágico Gandra na área externa do Espaço Cultural. 

 

 

 

 

A Prefeitura de Itaúna figura como ré em novo processo envolvendo a publicidade oficial. A Fazenda Comunicação & Marketing, que ainda presta serviços à administração municipal e à Câmara, luta na Justiça contra o Município para tentar receber R$ 116.330,63 devidos à empresa desde o governo do ex-prefeito Eugênio Pinto. A ação foi distribuída por sorteio no último dia 12 e já foi conclusa para despacho. 

 

Entre as 52 emendas, 17 preveem cerca de R$ 1,2 milhão em obras prometidas por Osmando aos parlamentares

Foi aprovada na terça-feira, 18, a Lei Orçamentária Anual – LOA – para o exercício de 2015. Com previsão de arrecadação de mais de R$ 306 milhões na administração direta e indireta, que inclui o Serviço Autônomo de Esgoto – SAAE – e Instituto Municipal de Previdência – IMP -, o Orçamento para o ano que vem recebeu 52 emendas, das quais, 17 são referentes às obras com as quais o prefeito Osmando Pereira da Silva prometeu atender a cada vereador, no limite de R$ 75 mil para cada. Portanto, aproximadamente R$ 1,2 milhão para brindar os representantes da Câmara com melhorias para localidades escolhidas por eles. 

Porém, o mesmo artifício foi usado pelo chefe do Executivo em 2013 na tentativa de acalmar os ânimos na Casa, quando teve início a formação da Frente Parlamentar, que seria formada pelo bloco dos insatisfeitos com o governo. A menos de dois meses do fim de 2014, a maioria dos pedidos elencados pelos vereadores, como asfaltamento de vias, construção e reformas de praças, entre outros que deveriam ter sido executados com os recursos deste ano não foi atendida, conforme constatou a reportagem em entrevistas inclusive com membros da base aliada. 

 

O projeto do Orçamento segue para a redação final, que vai incorporar as emendas  antes de voltar ao plenário e ser encaminhado novamente ao Executivo. O projeto prevê contratação de operações de crédito por antecipação de receita até o limite de 1% e remanejamento de 5%. 

FACEBOOK

NOTÍCIAS

asdadasd