Apuração de Comissão de Ética entra em momento decisivo em investigação de escândalo

0
537

Envolvidos em possível compra de voto para eleição da Mesa Diretora serão ouvidos sexta-feira

Os quatro vereadores envolvidos no escândalo de uma possível compra de votos, durante a eleição da Mesa Diretora, na Câmara Municipal de Itaúna, no final do ano passado, serão ouvidos pela Comissão de Ética na próxima sexta-feira, dia 10.

Gláucia Santiago, Alex Arthur, Otacília Barbosa e Iago Souza prestarão esclarecimentos aos membros da Comissão, que apura as denúncias, no Legislativo.

O escândalo veio à tona depois que o vereador Iago Souza, o “Pranchana Jack”, divulgou gravações, nas redes sociais, onde Alex Arthur oferecia R$ 20 mil para que o parlamentar faltasse a sessão que elegeria o novo presidente. Com a ausência de Iago, a disputa entre os grupos da oposição e situação ficaria empatada e a manobra beneficiaria a então candidata Gláucia Santiago, que por ser a mais velha assumiria a presidência. Gláucia é uma das líderes da oposição na Câmara.

Nos áudios, também é possível ouvir a vereadora Otacília Barbosa, oferecendo para verificar um processo no qual Iago é réu.  Iago acusa a colega de tentar cooptar seu voto com o auxílio jurídico.

A oitiva dos vereadores faz parte da apuração das denúncias pela Câmara. O Ministério Público e a Polícia também foram acionados, porém, as investigações correm em segredo de Justiça.

Ao todo, quatro denúncias foram aceitas pela Comissão. A primeira que está sendo analisada é a denúncia do vereador Iago Souza contra os colegas.

“Estamos avaliando o caso como um todo, mas como são várias denúncias, optamos por apurá-las individualmente. Fizemos um sorteio e as denúncias foram distribuídas para o relato de cada membro. Assim não teremos apenas um relator”, explica Antônio de Miranda, presidente da Comissão, confirmando a intenção de ouvir os vereadores na sexta.

Os envolvidos já entregaram suas defesas por escrito e todos os documentos já estão com os membros da Comissão.  Além dos envolvidos, a Comissão de ética também deve ouvir cinco testemunhas e pessoas citadas nos áudios, como por exemplo, o advogado Jason Vidal.

Punição

Desde que foi instaurada pelo presidente Alexandre Campos, as reuniões, da Comissão tem acontecido regularmente. Porém, pelo que apurou a reportagem do JORNAL S’PASSO, o parecer final do órgão pode não ser a resposta esperada pela população.

Isto porque o Regimento Interno da Câmara Municipal prevê punições brandas aos envolvidos. Fontes do JORNAL S’PASSO confirmaram que o máximo que pode acontecer, se identificadas quebra de decoro dos vereadores, seria a perda de um mês salarial.

Ao ser questionado sobre os resultados, Antônio de Miranda preferiu a cautela e não teceu comentários sobre as punições. “A Comissão está trabalhando, apurando, ouvindo os envolvidos e as testemunhas. Após todo o tramite legal e dentro das regras do Regimento Interno iremos dar o parecer sobre as denúncias e suas possíveis penalidades”.

Ainda segundo uma fonte próxima a Comissão, os membros do colegiado podem submeter o parecer final ao plenário. A manobra serviria para tirar o “peso político” das costas da Comissão.

O prazo para as apurações e apresentação dos relatórios vence na primeira quinzena de junho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui