“Mutirão do Amor” apoia causa de crianças com microcefalia

0
928

O projeto social “Mutirão do Amor”, fundado no final do ano passado pelas itauneses Cláudia Antunes, Letícia Leal e Mariana Cadinelli, é mais uma das iniciativas de apoio a Fraternidade Sem Fronteiras. O “Mutirão do Amor” nasceu através do trabalho de voluntários, com a ideia de confeccionar e distribuir como presentes de natal pequenas almofadas para as crianças dos abrigos da cidade e na pediatria do Hospital Manoel Gonçalves. 

Esse ano, e visando expandir o projeto, a ação continuou realizando a produção e começou a comercializar as almofadas. Contudo, agora os itens têm sido destinados para a ONG Fraternidade Sem Fronteiras, que atualmente tem utilizado os recursos arrecadados para apoiar a causa do projeto “Sem Dimensões”, que presta o auxílio a crianças com microcefalia em Belo Horizonte.

Para manter a ação, as coordenadoras do projeto “Mutirão do Amor” contam com doações e trabalhos voluntários, que vão desde a montagem das almofadas, até a parte das embalagens do produto. Segundo Cláudia, a boa ação é de extrema importância para o projeto. “Promove a oportunidade das pessoas exercitarem a fraternidade para além das fronteiras do nosso coração. Foi a maneira que conseguimos nos mobilizar para auxiliar um dos projetos abraçados pela Fraternidade Sem Fronteiras”, comentou.

Cláudia também explicou que os voluntários desejam alavancar a iniciativa para atender mais crianças, passando a confeccionar 100 almofadas por mês e que toda a verba será revertida para o projeto “Sem Dimensões”.

Atualmente, o valor de cada almofada é R$25,00 e o dinheiro arrecadado é destinado às instituições de caridade. Você pode contribuir com o projeto colaborando através de doações ou ajudando a realizar a produção das almofadas, entrando em contato pelo: (37) 9-9870-0858 ou (37) 9-9119-4156.    

A Fraternidade Sem Fronteiras é uma entidade não governamental de cunho humanitário, que atua nas regiões mais pobres do planeta. Seu intuito é amparar pessoas em situações de extrema pobreza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui