Hakuna afirma que não é mandante de gravação e Lequinho diz que vai ao Ministério Público depor contra “falsos profetas”

0
717

O ex-presidente do Legislativo, Márcio Gonçalves Pinto, “Hakuna” rechaçou acusações de que seria ele a “mente” por detrás das gravações e divulgação dos áudios que levaram a Câmara a uma profunda crise institucional. Pelos corredores da Câmara e entre os próprios vereadores há a suspeita de que, pela proximidade de Hakuna e Iago, o ex-presidente teria incentivado e aconselhado Iago a gravar a proposta feita por Lequinho.

Hakuna, que tem a intenção de compor uma chapa com Neider Moreira, para ao pleito municipal do próximo ano, teria orquestrado a escolha de um candidato da situação para presidente da Câmara, o que facilitaria o tramite de projetos e contribuiria para a governabilidade atual.  “Várias pessoas vieram me perguntar e falar que o que aconteceu foi porque o Marcinho mandou. O que está em cheque não é se alguém mandou, o que está em cheque aqui é o conteúdo do áudio. Não vou ficar calado mais. Que provem que manipulei a eleição. Vão até o Ministério Público, façam denúncias. Quero ver provar”.

Em seu discurso, Hakuna disse que não ficará mais calado e desafiou os colegas a provarem que seria ele quem manipulou Iago Santiago para gravar a proposta de uma possível compra de votos e divulgá-la em redes sociais. “Cuidado com o que falam sobre mim. Não me coloquem nesta sujeira”.

Profeta

Durante a reunião, que avaliou as denúncias contra os vereadores Alex Arthur, Iago Santiago e Silvano Gomes, Lequinho aventou também a possibilidade de Giordane Alberto ter sido beneficiado ou negociado o voto para a eleição da Mesa Diretora.

Segundo Lequinho, Giordane teria mudado seu voto após sofrer pressão do pastor evangélico que coordena a igreja frequentada por Giordane e que é seu reduto eleitoral. Sem citar nomes, Lequinho afirmou que a Câmara tinha em seu quadro “falsos profetas”, mas que ele, Lequinho, já estava convocado e deporia no Ministério Público, onde iria contar tudo que sabe sobre a eleição e a interferência do Executivo na Câmara Municipal. Na quarta-feira, Lequinho foi ouvido pelo promotor que cuida do caso.  

Fontes ligadas ao vereador afirmam que Lequinho tem provas que houve cooptação do voto de Giordane e que ele estaria disposto a entregar toda a documentação ao promotor e, com isto, não ser o único a ser investigado. Como o processo segue em segredo de Justiça, somente após a denúncia formalizada é que se terá ciência de quantos serão os réus apontados pelo MP.

Além da denúncia, Lequinho trouxe ao público conversas mantidas nos bastidores da Câmara. O parlamentar disse que os vereadores Silvano Gomes, Lucimar Nunes, a Comissão de Justiça e Redação e o próprio presidente da Casa, Alexandre Campos, teriam afirmado que ele receberia a punição prevista no Regimento Interno da Casa, que seria a suspensão das atividades por um mês. “Porque mudaram de ideia tão de repente? Estou sendo perseguido nesta Câmara. Estou sendo colocado para boi de piranha. Se for cassado será injustamente”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui