Ex-aluno da Universidade de Itaúna doa prótese ao jovem vítima de linha chilena

0
2134

Fisioterapeuta também perdeu um primo, que teve o pescoço cortado com cerol

Recentemente, o caso do jovem Gabriel Nascimento, 15 anos, chamou a atenção de todo o Brasil. O garoto teve parte da perna esquerda amputada, após ser atingido por linha chilena, enquanto caminhava pela rua, depois de um treino de futebol. O que tornou a história do menino ainda mais trágica, é que ele sonhava ser jogador profissional. Na mesma semana em que ocorreu o acidente, Gabriel faria um teste para o time profissional AMDH (Associação Mineira de Desenvolvimento Humano), de Betim.

O fisioterapeuta Fabrício Daniel de Lima, diretor do Instituto de Prótese e Órtese Brasil, formado pela Universidade de Itaúna, se comoveu com a história de Gabriel e decidiu doar uma prótese para o jovem.

Fabrício é especialista em próteses de alta tecnologia e graças a seu trabalho, seus pacientes podem ter mais qualidade de vida e resgatar a autoestima. Ele atende, por exemplo, a modelo Paola Antonini, que perdeu a perna esquerda depois de ser atingida por um carro em alta velocidade.

A história do jovem Gabriel é a mesma de um primo do fisioterapeuta Fabrício, também vítima da linha chilena: “Qualquer caso é especial e tem uma história. O que mais me tocou no caso do Gabriel é que perdi um primo, há uns cinco anos, vítima de cerol. A linha cortou o pescoço dele. Os casos foram se ligando. Além disso, já trabalho na área e decidi fazer a minha parte”, contou.

A prótese será confeccionada para atender todas as atividades funcionais de Gabriel e, segundo Fabrício, o jovem precisará passar por um processo intenso de adaptação. “Gabriel terá que aprender a andar, subir escadas e descer rampas”, explica Fabrício, que destaca que todo o processo de recuperação, incluindo o dispositivo, terá o custo de aproximadamente R$ 80 mil.

O acidente

Na tarde do dia 20 de julho, Gabriel voltava do treino de futebol do Clube São Cristóvão, pela Avenida José Inácio filho, em Betim, quando foi atingido por uma linha chilena, que feriu gravemente sua perna esquerda.

Ele foi socorrido por uma enfermeira e dois motoqueiros que passavam pelo local e acionaram o Samu. Encaminhado ao Hospital Regional de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Gabriel passou por cirurgia, mas após complicações, a equipe optou pela amputação da perna esquerda.

Durante o período em que esteve internado, o jovem recebeu a visita de autoridades, amigos e atletas do futebol, como o lateral-direito do Atlético Patric e da modelo Paola Antonini, que foram os responsáveis por levar a história de Gabriel até o Fisioterapeuta, Fabrício Daniel de Lima.

O sonho não acabou

Gabriel deixou o hospital no dia 28 de julho, ao lado da família. E quem pensa que após o acidente ele desistiu do sonho de se tornar um jogador de futebol está enganado. Agora, conforme informou a família, ele quer ser atleta paraolímpico e até recebeu convites de diversos atletas paraolímpicos, para treinar e se profissionalizar. Para isso, precisará usar uma prótese especial.

Linha chilena mata

O uso do cerol e da linha chilena foram proibidos há 17 anos em Minas Gerais, mas muitas pessoas ainda insistem no seu uso. A Lei de julho de 2002 prevê multa de até R$ 1.500 para quem estiver portando o material. Além disso, segundo a Polícia Civil, o Código Penal qualifica o uso como crime passível de prisão. Altamente perigosa, a linha chilena é 20 vezes mais cortante que um bisturi, pois recebe camadas de óxido de alumínio. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui