Depois de anos de espera, bairro Santa Edwiges entra na rota dos Correios

0
327

Muita gente acha inimaginável que com toda a tecnologia disponível nos dias atuais, as pessoas ainda recorram às cartas para se comunicar, enviar votos de congratulações pelo aniversário ou cartões postais de viagens. Mas os serviços prestados pelos correios vão além da entrega de cartas; é através deles que os cidadãos recebem boletos, contas de energia elétrica, água, de financiamentos etc. E quando a rota dos correios não contempla alguns bairros, a situação dos moradores fica complicada. É o caso do Santa Edwiges II, que desde que foi criado, há seis anos, está fora da rota de entrega dos Correios.

Em 2016, após inúmeras reclamações e através de solicitação da Associação de Moradores, a Prefeitura, instalou em uma mercearia do bairro 216 caixas postais, facilitando a vida principalmente dos idosos que, muitas vezes sem condições físicas tinham que se deslocar até as agências dos Correios que ficam no centro da cidade.

Quem não tinha acesso às caixas postais, improvisava utilizando endereços de parentes e amigos para retirada de suas entregas, contas de água e de luz, guias de IPTU. Ana Borges Ferreira, proprietária da Mercearia Logo Ali, onde estão instaladas as caixas postais comemora a boa notícia, pois agora, a partir da unificação dos bairros Santa Edwiges I e II, 100% das residências serão contempladas com o serviço dos correios. Segundo ela, é uma conquista muito grande para a comunidade que vai beneficiar principalmente pessoas mais idosas e com dificuldade de locomoção.

Para a presidente interina da Associação de Moradores, Ângela Maria da Silva, o serviço chega em boa hora: “Hoje a situação é muito complicada, porque nem todos têm acesso à caixa postal que foi disponibilizada, explica.

Outras reivindicações

A presidente da Associação também falou sobre outras dificuldades enfrentadas pela comunidade, como a falta de um PSF – Programa Saúde da Família no bairro, cuja construção já foi anunciada pela Prefeitura, porém a obra ainda não foi efetivada. “Nosso bairro precisa muito de uma creche e uma área de lazer para as crianças. Ganhamos asfalto e outras coisas, mas o PSF que realmente é a nossa maior necessidade ainda não tivemos notícia de quando será construído”, diz Ângela que ressalta que os moradores utilizam o PSF do bairro Morada Nova ou vão direto ao Hospital Dr. Ovídio de Abreu, quando precisam de atendimento.

Quanto a obra da creche do Santa Edwiges, o Gerente Superior de Ensino da Secretaria de Educação, Jackson Correia, informou que a Prefeitura renovou o contrato com a construtora responsável e a previsão é que a obra seja entregue até 31 de dezembro. O atraso se deu por vários motivos como a desistência da empreiteira vencedora da licitação de fazer a obra e devido ao atraso dos repasses do FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui