Por dentro da Cúpula

0
391

Por Tudika Fonseca

Culpa – A culpa do processo de cassação ter sido suspenso é de todos. Desde a presidência até a faxineira da Câmara. O assunto é o mais comentado na cidade e não tem ninguém para acompanhar uma questão tão simples quanto fechar os trabalhos dentro do prazo?

Culpa II – Uma vergonha e uma demonstração de ineficiência do Legislativo. O presidente da Comissão Processante disse que se a juíza entender que não há como prorrogar o prazo que não tem problema. Que se faz outra denúncia. Tem problemas sim, vereador. O prejuízo pela incompetência é moral e financeiro. Ou o homem/hora da Câmara é grátis?

Culpa III – Por outro lado, isto pode ser uma estratégia. A defesa de Lequinho disse que irá lutar até o fim para evitar a cassação. Então, como o processo, no meu ponto de vista, foi permeado por várias dubiedades, pode ser que a opção dos corredores foi para “se perder” o prazo e começar tudo de novo.

Culpa IV – A corrupção no Legislativo não é prerrogativa do vereador Alex Arthur. Tem uma frase que diz que se você está no meio de porcos, não tem como não se sujar.

Culpa V – A única solução, no meu ponto de vista, para tão desastrosa legislatura, seria trocar todas as peças, sem exceção, do Legislativo. Mas defendo a democracia e a escolha é do povo, que deve reeleger os seus “bons de voto” mesmo que tenhamos passado quatro anos, discutindo mais questões éticas e brigas políticas do que bons projetos para a população.

Culpa VI – E o Ministério Público? E as investigações da Polícia Civil sobre o caso dos pasteis? O processo corre tão em segredo de Justiça que até se esqueceram de finalizá-lo?

Eleição – Joel disse que seu xará, Thiago Joel, vai elegê-lo prefeito. Mais um pré-candidato e mais um marqueteiro criado por essas bandas.

Eleição II – Da Lua também criou outro marqueteiro. Disse que o secretário Paulo de Tarso é o melhor cabo eleitoral do prefeito. “Vai dar muito voto para ele. Continua que você vai ajudar o prefeito a ser reeleito”. Contém ironia.

Rei posto – O diretor de trânsito atua como um rei. Toma suas decisões e não se preocupa se elas refletem ou não na população. Isto é a síntese do discurso dos vereadores e quem está dizendo são eles e não eu.

Rei Morto –  Os vereadores, disseram que servidor público é para atender ao povo e suas demandas e, se não estiver atendendo, que se troque. Faço apenas uma ressalva, se o servidor tem poderes é porque alguém, em um cargo superior ao dele, lhe concedeu este poder.

Jebs – O grupo “Direita Itaúna” saiu em defesa do presidente da Comissão Processante Joel Arruda. Seus detratores, capitaneados por Júnior Capanema desdenharam. De concreto só mesmo a troca de farpas via redes sociais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui