Defesa Civil alerta sobre pontos de alagamento e que podem desabar

0
615

Passarela na Avenida São João está com a base podre, “mas as pessoas insistem em correr risco”

A defesa Civil de Itaúna começou a atuar efetivamente em fevereiro e, até este mês de dezembro, foram realizados 115 atendimentos de vistoria, notificação de risco e encaminhamentos.

Desses atendimentos, 12 foram referentes a podas e corte de árvores em risco, 32 notificações e correções de barrancos, taludes, pontes e quedas, 52 trincas e rachaduras e quedas de muros em residências, 11 notificações de zonas vulneráveis de alagamento e 8 casos de briga de vizinhos. “Por incrível que pareça, existem casos em que somos acionados em decorrência de desentendimentos de vizinhos”, destaca a coordenadora da Defesa Civil, Márcia Moreira.

De acordo com a Defesa Civil, os casos mais recorrentes são de trincas e risco de desabamento em estruturas de residenciais. Foram interditadas quatro residências nos bairros Centro, Várzea da Olaria, Cidade Nova e Nogueira Machado. “Há casos que encontramos casas com trincas, pelas quais podemos ver o exterior da residência; em outros casos, não há alicerce ou fundação fraca, com sérios riscos de desabamento”, diz Márcia.

O órgão ainda destacou que esses casos podem ser vistos em construções recentes, que muitas das vezes são mal estruturadas. “As pessoas devem ficar atentas quando forem adquirir um imóvel, principalmente em conjuntos habitacionais, casas construídas em grande escala. Estamos tendo muitos problemas referentes a essas residências”, enfatiza a coordenadora.

Alagamentos

No decorrer do ano foram registrados alguns pontos vulneráveis da cidade onde podem ocorrer alagamentos. Dentre eles, foram identificados o leito do Rio São João no bairro Universitário, Ribeirão dos Capotos que corre entre o bairro Garcias e Santanense; o Ribeirão Joanica, nas imediações da ponte na rua Alexandrina Bernardes, no bairro Itaunense, Lagoa do Nogueirinha em frente à nova prefeitura e na Avenida Jove Soares.

Foram registrados alagamentos no início do ano na Avenida Jove Soares e no mês passado, no bairro Itaunense. As pessoas que residem próximos a esses locais devem ficar atentas em dias de chuva forte e evitar a passagem nas regiões se estiverem alagadas ou com um acúmulo de água visível.

Desabamentos

Já os locais com risco de desabamento são a passarela localizada na Avenida São João, próximo à Brincarte, que está com a base podre. “A passarela já foi interditada diversas vezes, mas as pessoas insistem em correr risco. Há um projeto pronto para que uma obra seja realizada no local, mas a prioridade da administração é a duplicação da ponte do Distrito Industrial que também representa risco para os motoristas, por não possuir barras de proteção lateral”, relatou Márcia.

Outro ponto em que há risco iminente é a antiga fachada do Hospital, tombada como patrimônio histórico do município, que por ser uma obra antiga e apresentar diversas rachaduras, pode desabar a qualquer momento. “A Defesa Civil ainda não enviou técnicos ao local, por ser um patrimônio tombado, e não estar sob a responsabilidade da prefeitura, mas a situação é complicada”, destacou a coordenadora.

Plano de Contingência

Segundo Márcia, após a ponte dos Lopes ceder, foi criado um Plano de Contingência Municipal que integra diversas secretarias, Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e Hospitais cadastrados.

“Estamos elevando a defesa civil a um nível nunca visto. Já cadastramos a base municipal na Defesa Civil Estadual, estamos realizando campanhas educativas nas escolas, criamos grupos em redes sociais para emissão de alertas e estamos atendendo a população de forma mais efetiva”, destaca.

A população pode acionar a Defesa Civil pelo telefone 199. Interessados em obter previsão do tempo diariamente podem se cadastrar via SMS pelo número 40199, informando o CEP de sua residência. O serviço é liberado pela Defesa Civil de Minas Gerais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui