Vereadores e assessora falam sobre denúncia de corrupção ativa e negam participação

0
446

Para os entrevistados, a Justiça será feita provando a inocência de cada um. Alex Artur não quis falar à reportagem do Jornal S’Passo

Ainda continuam rendendo nos bastidores políticos e nas redes sociais as notícias da ação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que indiciou por corrupção ativa os vereadores Alex Arthur (PV), Gleison Fernandes (PSD), Márcia Cristina (Patriota) e Otacília Barbosa (PV) e, também, a assessora parlamentar Joyce Ferreira. A ação é de 2018 e se refere à tentativa de compra de votos, feitas por Alex, para modificar o resultado da eleição para a Mesa Diretora da Câmara Municipal.

Diante da retirada de sigilo da ação, o assunto retoma com maior força nas conversas que circulam na imprensa e na boca das pessoas, ainda que na Câmara pareça existir um pacto de silêncio entre todos os vereadores. Ninguém falou do assunto em plenário nas últimas sessões do legislativo.

O Jornal S’Passo encaminhou mensagem aos edis envolvidos e também à assessora da vereadora Márcia Cristina, Joyce, para se manifestarem acerca da acusação. Gleison Fernandes (PSD) se adiantou e encaminhou à redação, no meio da semana, uma nota em que nega envolvimento no processo de compra de votos e que jamais quis barganhar cargo público para seu irmão num acordo com Alex Artur. Para ele, a denúncia se baseia tão somente em indícios de corrupção e não em provas materiais. Para a vereadora Márcia, a sua defesa se baseia na conduta de suas ações no legislativo e em qualquer outro lugar em que atua. Afirma que irá provar sua inocência de forma tranquila no encaminhamento do processo. Já sua assessora, Joyce Ferreira da Costa, reclamou do Jornal S’Passo, que não dera oportunidade na edição anterior à explicação dos acusados. Afirmou ainda que para realizar uma matéria completa “o jornal deveria ouvir” a vereadora Gláucia Santiago (PL), pois “se ela era a candidata a presidente (em 2018), é a parte mais interessada”. A reportagem explicou-lhe que a matéria é feita com os nomes dos indiciados pela Justiça, o que não é o caso de Gláucia. Como sua chefe, a assessora afirmou que não tem nenhum envolvimento nos fatos que iriam modificar os resultados da eleição para a presidência da Câmara e que a sua defesa será apresentada à justiça nos próximos dias.

A vereadora Otacília Barbosa (PV) em sua mensagem à reportagem, encaminhada por sua assessoria, defendeu os colegas Márcia e Gleison e disse que não entende porque a ambos foi imputada tal denúncia por corrupção. Quanto à tentativa de incriminá-la, salientou que está muito tranquila e já apresentou defesa, uma vez que em momento algum admite a troca de seus serviços jurídicos por voto. Que não existe nenhuma prova disso. Esclareceu que, como advogada, ela poderia oferecer sua assessoria a qualquer um, envolvido ou não nessa denúncia, mas que jamais afirmou que essa seria feita de forma gratuita ou em barganha por voto para a eleição da Mesa. Procurado pela reportagem, o vereador Alex Artur (PV) afirmou que não iria falar sobre a denúncia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui