Justiça determina suspensão da volta às aulas presenciais no estado

0
103

Depois do governo do estado determinar a volta às aulas presenciais nas cidades da onda verde, no próximo dia 19, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais decidiu em liminar pela suspensão temporária do retorno as atividades até que todas as medidas sanitárias previstas no protocolo da Secretaria de Estado da Saúde sejam implementadas. A medida atende a um pedido do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE).

Em Itaúna, o sindicato tem mantido contato direto com os profissionais e segundo a direção da entidade, o desejo da grande maioria é não retornar. O principal medo é a falta de condições adequadas para sanitização de espaços e higienização dos alunos. “Pelo que a gente tem conversado, ninguém quer o retorno e ninguém está preparado. As escolas não têm estrutura e nem como implantar medidas sanitárias. Não podemos voltar ainda, principalmente, as escolas públicas. Os pais também não estão de acordo em voltar agora, pelo menos nesse restante de ano, com o aumento dos casos”, explicou Maria de Fátima Oliveira, presidente da unidade sindical itaunense.

A decisão do TJMG determina que o governo deve garantir o fornecimento de máscaras e equipamentos de proteção individual para servidores e de máscaras para os alunos, além da aplicação de um questionário diário sobre sintomas da Covid-19 a estudantes e funcionários, na entrada das escolas. Além disso, os gestores escolares devem assinar uma declaração atestando o cumprimento integral das determinações e publicá-las nas respectivas unidades.

Fátima ressaltou ainda que faz parte do Conselho Municipal de Educação e que nesta semana houve amplo diálogo no município e que é aguardado um decreto nos próximos dias que definirá o retorno somente no ano que vem. A presidente destacou que até mesmo as escolas particulares de Itaúna tem se organizado para voltar com segurança em 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui