SETE PERGUNTAS para Vice-prefeita e ex-vereadora, Gláucia Santiago

0
240


Três vezes vereadora, Gláucia Santiago, assumiu em janeiro deste ano o cargo de vice-prefeita, pela primeira vez na história de Itaúna. Ela é itaunense, filha de Vera Santiago e do ex-prefeito Hidelbrando Canabrava Rodrigues. É mãe de três filhos: Hidelbrando Neto, Guilherme e Roberta Santiago, e avó de Júlia. É formada em Pedagogia pela Universidade de Itaúna e trabalha prestando serviços públicos há mais de 40 anos. Começou sua carreira profissional com 15 anos de idade, trabalhando como servidora no Cartório de Registro de Imóveis, que pertencia à família.

  1. Gláucia, como você se sente estando na pele de primeira vice-prefeita da cidade de Itaúna? É isso que chama empoderamento da mulher na política? E poderá assumir a Prefeitura plenamente?

Olha, é muita responsabilidade, um grande compromisso com a cidade, com as mulheres, com os eleitores. É a primeira vez que uma mulher tem a possibilidade de assumir de verdade a Prefeitura em Itaúna. Agora assumir a Prefeitura, o cargo de chefe do executivo, de forma plena, temos que primeiro mostrar serviço e daqui a quatro anos pensar nisso.

  1. Como vereadora você era sempre muito procurada pela comunidade, primeiramente por causa da herança política do seu pai e, depois, por causa do seu perfil de trabalho com maior envolvimento com outras esferas de poder. E agora, como vice-prefeita, como está sua rotina de trabalho?

Intensa. As pessoas continuam me procurando, tenho recebido no meu gabinete inúmeras demandas. Como eu me comprometi na campanha, quero de verdade me envolver com o  mandato de vice-prefeita e ter boa atuação como interlocutora da população, ouvir aquelas pessoas que às vezes não conseguem falar com o prefeito. Fazer um mandato participativo mesmo.

  1. E os vereadores, essa interlocução também está aberta ao legislativo? Os ex-colegas e os novatos edis têm procurado a vice-prefeita?

Sim, muito. Tenho recebido os vereadores, não somente os da base do prefeito, mas também os da oposição, como os ex-colegas Antônio de Miranda e Márcia Cristina. Quero que seja assim, independente de ser da base ou da oposição, vamos procurar juntos resolver os problemas da cidade de Itaúna.

  1. Mas o seu trabalho não é somente no gabinete? Você disse em campanha que iria estar com as pessoas nos bairros.

Sim, foi isso mesmo. O meu diálogo com a população vai muito além do dia a dia no gabinete da Prefeitura. Quero estar nos bairros, nas comunidades rurais, nas escolas… para ouvir e procurar atender as demandas da população. Estamos agora conseguindo R$ 66 mil para semana que vem, para serem investidos na construção de uma creche na Várzea da Olaria, dentro do projeto “Acolhendo Sorrisos”. É assim que eu quero continuar trabalhando, junto com as pessoas na sua comunidade.

  1. A mulher em Itaúna não pode se dizer vitoriosa em alguns aspectos. Muitos serviços destinados a ela, como a Delegacia da Mulher, não atendem de forma satisfatória. O que fazer nesse sentido? Qual é sua política para beneficiar as mulheres com melhor atendimento social, de saúde etc.?

É a nossa grande preocupação. Quando vereadora busquei através de ações e reivindicações junto a deputados recursos para assistência da saúde da mulher, entre outras. O serviço de mamografia, exames preventivos e outras demandas nessas áreas foram conquistados por nossa atuação. Na semana que vem iremos nos reunir com o delegado Dr. Leonardo Pio para tratar da questão da Delegacia da Mulher e de outros projetos.

  1. A participação política da mulher ainda é uma lacuna a ser preenchida em Itaúna. O que fazer? Tem também o problema da violência de gênero, do feminicídio, da violência doméstica.

É necessário maior engajamento. Ouvir e debater temas importantes como esses. A princípio temos propostas e queremos debater juntamente com as nossas representantes na Câmara: Edênia, Carol e Márcia. Para o Dia Internacional da Mulher, em março, estamos pensando em uma série de ações numa semana, e muitas dessas ações são com relação à saúde da mulher e o problema da violência.

  1. Como é o dia a dia da Gláucia Santiago fora daqui, deste prédio que cheira à novo, estreando um mandato de vice-prefeita?

Ah, estar aqui é muito bom, prédio novo, tudo muito bonito. Fiquei emocionada quando aqui cheguei. Fora daqui, apesar de o tempo ser menor, o que não é ruim, sou uma mulher simples, que gosta de estar em casa, cozinhar, cuidar de plantas, de bichos, dos inúmeros bichos que tenho: patos, gansos, cachorros, gatos, passarinhos… Gosto de animais de rua e quando posso levo todos para casa. Gosto de ficar em casa, de curtir meus filhos, meu marido, minha neta.



DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui